Mortes estranhas: Bolada

Share

Ray_Chapman_(1917_Indians)_3Há quem defenda que o esporte mais violento praticado na américa do norte seria o futebol americano ou o hockey no gelo, mas nos anos 1920 eu teria medo do baseball, na verdade ainda tenho medo até hoje.

Raymond Johnson Chapman (15 de janeiro de 1891 – 17 de agosto de 1920), era um jogador de baseball que estava em tremenda ascensão naquele ano. Ray Chapman entrou na carreira em 1912, jogando pelo Cleveland Indians. Em 1918 liderou a liga americana em pontos marcados em corridas em 1918. Até hoje Chapman é o sexto na lista de todos os tempos para sacrifices hit (colocar-se com o corpo e segurar o bastão firme no peito para parar a travessia da bola arremessada de uma base para outra) com um recorde feito em 1917 com 67 sacrifícios… bom sinal que o cara gostava de se meter na trajetória da bola. Em 6 de agosto de 1920 num jogo contra o New York Yankees (tinha que ser os Yankees), Carl Mays, lançador dos Yankees, lançou uma bola suja contra Chapman que resultou em sua morte.

Pode parecer besteira, mas o ato de sujar um dos lados da bola dá a ela uma trajetória incomum, com muito mais velocidade e torna difícil sua localização dependendo do que foi colocado na bola. Era muito comum os sacanas usarem vaselina, parafina e outras coisas grudentas e pesadas. Com uma bola alterada mudava a resistência do ar contra a bola e ela podia viajar de uma maneira atípica. Em meio a uma dessas, Ray foi atingido na cabeça, indo para o hospital com traumatismo craniano e morrendo doze horas depois.

Depois da morte de Ray Chapman, a técnica de sujar a bola em um dos lados (spitball) foi abolida dos jogos profissionais. Engraçado é que a ideia de usar capacetes para proteger os participantes em jogos foi adotada somente 30 anos atrás. Por puro azar, até hoje, Raymond foi o único jogador da liga maior de baseball que morreu devido a um arremesso.

Share